2º Fórum Sindical de BRICS reúne dirigentes sindicais na África do Sul

0
46

Na cidade de Ethekwini (Durban), África do Sul, nos dias 26 e 27 de setembro de 2023, líderes sindicais representantes das Centrais Sindicais e Federações Sindicais nacionais da República da África do Sul, República Federativa do Brasil, República da Índia, República da Rússia e da República Popular da China, as nações que compõem o grupo BRICS, se reuniram para discutir questões cruciais relacionadas ao desenvolvimento, justiça social, paz e dignidade.

O 12º FÓRUM SINDICAL DOS BRICS (BTUF) marcou um importante evento presencial, após o período de turbulências e desafios impostos pela pandemia de COVID-19, e a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), está presente com seu secretário adjunto de Relações Internacionais, Carlos Muller, e o presidente Adilson Araújo.

“O Brics, ampliado e fortalecido em sua última reunião de cúpula, realizada recentemente na África do Sul, já está desenhando os contornos desta nova ordem internacional, com a preciosa contribuição do seu Novo Banco de Desenvolvimento. Consideramos fundamental que a classe trabalhadora e o movimento sindical também tenham protagonismo e relevância na transição e no desenho deste novo mundo”, disse Adilson.

O tema central deste 12º Diálogo BTUF é “Cooperação do Fórum Sindical do BRICS para um desenvolvimento justo e inclusivo para todos os povos do mundo – Avançando no caminho da justiça social, a paz e a dignidade”. Esta temática aborda a necessidade de garantir que o crescimento econômico e o desenvolvimento se traduzam em benefícios reais para todas as camadas da sociedade, promovendo a igualdade, a paz e a dignidade.

Os sindicatos desempenham um papel fundamental na defesa dos direitos dos trabalhadores, na promoção de condições de trabalho justas e na busca por uma sociedade mais equitativa. O BTUF representa um espaço onde líderes sindicais podem trocar experiências, discutir estratégias e colaborar em iniciativas que visem melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores e de suas comunidades.

“Almejamos uma ordem mundial em que prevaleça a paz, da qual as armas nucleares devem ser banidas e eventuais conflitos de interesses internacionais sejam solucionados à base do diálogo e da negociação. Defendemos o direito das nações à autodeterminação econômica e política e o desenvolvimento orientado para a valorização do trabalho, o pleno emprego e o bem-estar social. Reiteramos, para finalizar, nossa convicção de que é fundamental que a classe trabalhadora e o movimento sindical conquistem um protagonismo maior no processo de transição para uma nova ordem mundial e em suas instituições e creio que o Brics Sindical pode e deve desempenhar um grande papel nesse sentido”, finalizou Adilson.

Leia mais:

Presidente da CTB aborda desafios da classe trabalhadora em discurso no 12º FÓRUM SINDICAL DO BRICS

 

Representando a WFTU (Federação Sindical Mundial-FSM) Mzwandile Michael Makwayiba faz uma mensagem de solidariedade aos povos de todo o mundo. Michael, ressaltou o importante papel da solidariedade no contexto da crise que aflige a humanidade. Destacou, “a solidariedade não tem cor, não tem credo, nem crença. A solidariedade precisa ser tão somente solidariedade. Os trabalhadores têm o direito de lutar, de combater as desigualdades, resistir para erradicar a pobreza, garantindo proteção aos mais pobres e vulneráveis”.