3 de outubro de 2023: Dia Internacional de Ação da Federação Mundial de Sindicatos

0
75

A FSM comemora mais um ano, no dia 3 de outubro, data histórica da sua fundação, proclamando um Dia Mundial de Ação que este ano se centra na defesa das liberdades democráticas e sindicais contra o autoritarismo e a repressão e na luta pela proteção do direito à organização, à negociação colectiva e ao sagrado direito à greve. Intensificamos nossa luta por um trabalho estável e permanentemente regulamentado, com negociação coletiva e direitos sociais.

Para nós é claro que só através das lutas de classes e das reivindicações militantes organizadas é que os objectivos do movimento operário podem ser realizados e o progresso social alcançado: Lutas pela satisfação das necessidades modernas dos trabalhadores a todos os níveis, por um trabalho, um salário digno e uma vida decente. Pela proteção da autonomia sindical e da orientação de classe contra a burocracia, a corrupção e a manipulação do capital e dos empregadores.

O que os empregadores ou os governos burgueses são forçados a conceder são conquistas dos trabalhadores e dos seus sindicatos através da unidade de classe, da solidariedade e da acção conjunta entre os próprios trabalhadores, nas bases, no local de trabalho. A questão das liberdades democráticas e sindicais é uma questão inegociável e de vital importância para os trabalhadores e os seus sindicatos.

O pleno respeito e a aplicação prática das liberdades democráticas e sindicais e o funcionamento contínuo dos sindicatos são essenciais para a autêntica representação colectiva dos trabalhadores e a defesa eficaz das suas justas reivindicações. Portanto, a violação e violação das liberdades sindicais e democráticas, em particular o direito à greve, constantemente atacado e restringido, é um casus belli para o movimento sindical de classe.

A luta pelas liberdades sindicais e democráticas está indissociavelmente ligada à luta pelas conquistas dos trabalhadores e por um trabalho e uma vida dignos.

Não é por acaso que, nas costas dos sindicatos amarelos e das direções sindicais comprometidas e corruptas, se tenta degenerar a luta sindical organizada e substituí-la por um “diálogo social” inofensivo, no qual os trabalhadores permanecem desarmados e distantes de da luta organizada e da verdadeira negociação colectiva. Não é por acaso que no longo período das múltiplas e sucessivas crises capitalistas que vivemos, em simultâneo com o cruel e implacável ataque aos salários e demais direitos laborais e sociais dos trabalhadores, se intensifique o ataque à violação das liberdades sindicais. e democrático.

Especialmente em condições de preços e inflação, onde a força de trabalho é desvalorizada e o nível de vida dos trabalhadores se deteriora, o ataque às liberdades democráticas e sindicais intensifica-se para silenciar os trabalhadores e limitar a sua capacidade de defender os seus interesses de classe e elevar as suas justas reivindicações.

Ao longo dos anos, tal como hoje, o ataque aos salários e a outros direitos laborais e sociais dos trabalhadores tem sido acompanhado por um ataque às liberdades democráticas e sindicais e por uma intensificação do autoritarismo e da repressão. O período da COVID também foi aproveitado pelo capital e pelos seus representantes para promover medidas ainda mais duras que reduzem o direito de organização, de exigência e de protesto colectivo. Estas medidas promovem uma maior desregulamentação das condições de trabalho e minam o direito sagrado à greve.

A Federação Sindical Mundial e o movimento sindical internacional intensificam a luta para defender a liberdade democrática e sindical sem entraves, contra o ataque aos salários, à saúde e à segurança social e para denunciar a investida autoritária contra os trabalhadores.

Apela aos sindicatos de classe e combativos de todo o mundo para comemorarem o 78º aniversário da sua fundação, participando massivamente no Dia Internacional de Acção estabelecido sob os lemas:

– Não ao autoritarismo e à cerceamento das liberdades democráticas e sindicais!

– Trabalho com direitos! Não às “flexibilidades” e à exploração!

O secretariado