FSM Brasil: Inauguração do escritório FSM, reunião do Conselho e Seminário Internacional “A crise do capitalismo e seus Impactos na Organização Sindical e no Trabalho”

0
79

https://www.facebook.com/share/v/p2ph4TYBCJy1ehAM/?mibextid=w8EBqM

Documentos de la reunión del Consejo Presidencial de la FSM de 2024

SEMINÁRIO INTERNACIONAL 

No dia 4 de março, a presidenta da FLEMACON, Lúcia Maia, participou do Seminário Internacional “A crise do capitalismo e seus Impactos na Organização Sindical e no Trabalho”, promovido pela Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), em conjunto com outras centrais sindicais. O evento, marcou o encerramento do Conselho Presidencial da Federação Sindical Mundial (FSM), que reuniu, nos dias 1, 2, 3 y 4, mais de 50 sindicalistas de 30 países, em São Paulo, Brasil, onde foi inaugurado o escritório da FSM no primeiro dia.

Em seu discurso, Lúcia Maia saudou os presentes:

Em nome da Flemacon e da Secretaria Internacional da Fetracom-BASE trago uma saudação calorosa a todas e todos presentes nesta ATIVIDADE, em que estamos debatendo a crise do capitalismo e seus impactos nas nossas organizações e no trabalho, ou seja, na vida da classe trabalhadora.

Companheiros e companheiras, são enormes os impactos!

Consideramos que o capitalismo é um sistema antropofágico, ele corrói, destrói a natureza humana, mata de fome, frio ende desassossego. Financia todos os tipos de atrocidades. Inviabiliza a paz no mundo.

Não há como não reconhecer o flagelo das crianças na Faixa de Gaza e em outras regiões do planeta. Nossas crianças estão morrendo, estão sem saúde, sem escola, sem condução, sem família e sem futuro.

O que acontecerá então?

Não menos graves as condições dos imigrantes, em exilio involuntário, em busca de sobrevivência, na esperança de uma vida digna. São caóticas as condições de trabalho dos imigrantes em geral.

Os trabalhadores e trabalhadoras em tal situação não estão apenas longe de suas famílias e da pátria, mas longe do crescimento e do saber.

A humilhação e a dor têm sido ainda, por conta do capital, instrumentos potentes aplicados às mulheres, em especial às trabalhadoras.

As conquistas e avanços são vitórias, mas o preconceito e a perversidade do sistema capitalista tenta resistir ao máximo à autonomia dos seres humanos.

Difícil a luta, necessários as denúncias, os debates, os encontros, os estudos, o diálogo e a resistência.

E aqui, em nome da Flemacon e da Fetracom-BASE e Sindicatos filiados, reafirmamos a nossa capacidade laboral e operacional em defesa da classe trabalhadora, dos direitos humanos e do socialismo.

Arriban los y las que luchan!”

Leia mais:

Seminário Internacional aborda os desafios do movimento sindical frente à crise do capitalismo

INAUGURAÇÃO ESCRITÓRIO FSM BRASIL

Na sexta-feira (01), a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) realizou um momento significativo na luta sindical internacionalista. Após um dia intenso de debates no Conselho Presidencial da Federação Sindical Mundial (FSM), a CTB inaugurou o escritório da FSM em sua sede, localizada na rua Cardoso de Almeida 1843, no bairro do Sumaré, em São Paulo.

“A criação do escritório da FSM em São Paulo é um espaço importante de organização da luta dos trabalhadores e de dialogo com o movimento sindical mundial, principalmente com trabalhadores da América Latina, organizando a luta no dia-a-dia em busca de melhorias das condições de vida e transformação, social”, disse Renê Vicente, coordenador do escritório da FSM em São Paulo.

O novo escritório servirá como um espaço dedicado à luta sindical internacionalista, aberto para todos os países filiados à Federação. José Divanilton Pereira, secretário-geral adjunto da FSM, destacou a importância desse marco: “A CTB sempre historicamente teve o maior protagonismo na representação da FSM no Brasil e agora dá mais um salto organizativo que impulsionará politicamente ainda mais a Federação no País, a partir do escritório”, enfatizou.

Nivaldo Santana, secretário de Relações Internacionais da CTB, enfatizou a oportunidade proporcionada pela reunião do Conselho Presidencial da FSM para a inauguração do escritório de representação no Brasil. “Isso é importante para o fortalecimento do sindicalismo classista, fortalecer a FSM e aumentar a integração das organizações sindicais filiadas aqui no Brasil”, finalizou Nivaldo .

A iniciativa da CTB em sediar o escritório da FSM demonstra um compromisso renovado com a solidariedade internacional entre os trabalhadores e a consolidação do sindicalismo como força política e social no Brasil e além das fronteiras.

CTB inaugura escritório da Federação Sindical Mundial em São Paulo

REUNIÃO DO CONSELHO FSM

O Conselho Presidencial da Federação Sindical Mundial (FSM) teve seu encerramento na manhã deste sábado (02), marcado por uma sessão extraordinária que abordou diversas questões globais e estratégias sindicais.

Entre os principais pontos discutidos, destacam-se:

Resoluções de solidariedade: O Conselho aprovou resoluções em apoio ao Povo Palestino e ao Povo Cubano, reconhecendo os desafios enfrentados por essas comunidades e reafirmando o compromisso da FSM com a justiça social e a soberania dos povos.

Adoção do plano de ações da FSM para 2024: Foi aprovado o plano de ações para o ano de 2024, delineando estratégias para fortalecer o movimento sindical internacional e enfrentar as crescentes desigualdades sociais e econômicas.

Cadastro de novos filiados e relatório financeiro: Houve a inclusão de novos filiados à FSM, demonstrando o contínuo crescimento e alcance da organização. Além disso, foi apresentado um relatório detalhado da comissão de controle financeiro, garantindo transparência e responsabilidade na gestão dos recursos.

Debates das lideranças sindicais mundiais: Líderes sindicais de todo o mundo participaram de debates construtivos sobre a conjuntura global e as estratégias para fortalecer a luta da classe trabalhadora contra o capitalismo marginal e a desigualdade social.

Conselho Presidencial da Federação Sindical Mundial encerra com resoluções de solidariedade e planos de ação

TROCA DE IDEIAS E EXPERIÊNCIAS 

O seminário proporcionou uma oportunidade única para líderes sindicais de diversas partes do mundo aprofundarem suas análises sobre os impactos do sistema capitalista globalmente. A troca de experiências e o debate intenso durante o evento visaram fortalecer os laços de unidade e solidariedade entre os movimentos sindicais, destacando a importância da luta e resistência contra a agressão imperialista e em defesa da autodeterminação dos povos e nações.

“Para nós do sindicalismo classista, é crucial poder interagir com nossos irmãos de todo o mundo. A troca de ideias e debates intensos durante esses dias servirá para fortalecer nossa causa e melhorar as condições de vida da classe trabalhadora”, afirmou Adilson Araújo, presidente da CTB.

PALESTINA LIVRE

Além das discussões sobre os desafios enfrentados pelo movimento sindical, o evento também dedicou um momento de solidariedade à Palestina. A sindicalista Palestina, Suzan Tayseer Salam, expressou sua gratidão pelo apoio internacional e denunciou os constantes ataques e violações de direitos humanos enfrentados pelo povo palestino e declarou, emocionada: “Vocês reforçam nossa força e acalmam nossa paciência na luta contra a ocupação israelense. O povo palestino continua a sofrer assassinatos e ataques diários, enquanto o mundo assiste em silêncio. Acreditamos que o povo livre do mundo não aceitará essa situação”.

CUBA: COMPROMISSO COM A LUTA 

Ernesto, representante da Central de Trabajadores de Cuba (CTC), reafirmou o compromisso de Cuba com a luta dos trabalhadores, destacando a importância da solidariedade internacional na busca por justiça e igualdade. “Ratificamos que Cuba, seguirá tremulando a bandeira da luta dos trabalhadores”, disse.

AVALIAÇÃO DA FSM

O secretário geral da FSM, Pambis Kyritsis, agradeceu aos organizadores pelo excelente acolhimento e pela oportunidade de compartilhar experiências e preocupações entre os movimentos sindicais classistas. “Quero agradecer aos anfitriões pela recepção excelente em nosso Conselho Presidencial, assim como pela iniciativa em organizar o seminário de hoje. O que nos permitiu trocar experiências, esboçar opinioes e preocupações encontradas pelo movimento sindical classista”, enfatizou o secretário da FSM.

O Seminário Internacional não apenas proporcionou uma plataforma para análises profundas sobre os impactos do capitalismo, mas também fortaleceu os laços de solidariedade entre os sindicalistas.